Bem-vindo, use nossas ferramentas de acessibilidade.
C C C C
A- A+
Por aí. /Nossa Agenda.

“Quem disse que não pode” é grito de indignação de funkeiro preto e gay

6 de outubro de 2020
“Quem disse que não pode” é grito de indignação de funkeiro preto e gay

Um grito de indignação contra a homofobia no ambiente do funk chamou a atenção a partir da voz de Dogge. O cantor goiano está em São Paulo há três anos em um trabalho musical autoral que reúne influências diversas, do funk, do samba, do pop e até da música gospel. Ele deixou a cidade de Rio Verde, no sudoeste goiano em 2018, para tentar um lugar no sol da música brasileira e destaca. “Eu acredito que não existe limites para quem sonha, então peguei as minhas trouxinhas e vim pra cá”

Quem anda de metrô em São Paulo provavelmente já ouviu sua voz, acompanhado de alguns outros músicos Dogge apresenta seu talento pelos trens que percorrem a maior metrópole da américa latina. “Muito bom ver o público de perto e sentir a energia deles, vocês não sabem como é gratificante”, se emociona.

Embora defina seu estilo como funk, o vídeo de Dogge que viralizou na última semana é carregado nas batidas do rap e diz mais ou menos assim “na levada vou cantando mas hoje me indignei quem disse que não pode existir funkeiro gay”. Com 22 anos e formação religiosa evangélica, Dogge escolheu o nome artístico por conta do Exército. Ele serviu ao 41 batalhão de infantaria motorizada em Jataí e o sobrenome que seus superiores definiram para reconhecê-lo era um dos seus sobrenomes e ele virou o soldado Dogge.

Sobre sua relação com a igreja, ele destaca a compreensão do pai, que é pastor “a formação musical na igreja foi muito importante pra mim, mas não tanto quando a forma compreensiva como meu pai me aceitou. Ele sempre é extremamente carinhoso comigo, me apoiando de todas as formas e não julgando a minha sexualidade”, celebra. Inclusive, em confidência a este repórter, afirmou que a comunidade que o pai pastoreia assumiu uma posição inclusiva em relação às pautas de orientação sexual desde que Dogge revelou a sua.

A pequena canção “Quem disse que não pode existir funkeiro gay” teve mais de 50 mil visualizações nas redes sociais e viralizou primeiro no twitter, onde foi repostada por páginas como @sentimentogay_ e @leoni_a_jato. No Facebook foi ouvida e comentada por milhares de pessoas nas páginas LDRV, Afrodengo LGBT, LGBTs pela Democracia, entre outros. Já no Instagram, o perfil @ezatamentchy divulgou a canção que saúda o Vale.

“Tenho enfrentado muitas dificuldades, como qualquer músico em início de carreira, mas sendo gay, preto e favelado é ainda mais complicado”, lamenta. “Essa música mesmo eu fiz depois de ouvir várias vezes frases como essas. Queriam que eu fosse só mais um funkeiro hétero machão, fazendo a loucura das meninas, mas eu não sou assim”, desabafa.

Pabllo Vittar, Anitta, Criolo, Manu Gavassi estão entre as suas maiores inspirações. “Acho a Anitta genial, como pessoa, música, empresária, marqueteira. Se eu pudesse escolher alguém da cena pra tocar um som, com certeza seriam essas duas. Anitta e Pabllo são meu horizonte”, explica. Nos versos da canção, ele repete “as mana afeminada vem de frente mostra a cara e é graças a essas manas que hoje eu tenho fala”, manda a real.

Podemos ouvir Dogge nas principais plataformas digitais. Ele está no Youtube e no Spotify como Boy Doge, no Instagram, no Twitter e no TikTok como @oficialdogge E por falar nas plataformas digitais, O baile já começou é a música preferida dele e diz mais ou menos assim os amigos tão tudo aqui o baile já começou agora solta o beat pras mona joga o popo” Então bora lá soltar o popo.

 

Evaldo

Baixe o e-book e saiba mais sobre.