Bem-vindo, use nossas ferramentas de acessibilidade.
C C C C
A- A+
Por aí. /Agenda.

Escolas públicas de Goiânia e Aparecida de Goiânia recebem formação de valorização da cultura negra para professores e alunos

18 de abril de 2022
Escolas públicas de Goiânia e Aparecida de Goiânia recebem formação de valorização da cultura negra para professores e alunos

Projeto contemplado na Lei Aldir Blanc para apoio em projetos artísticos e culturais na área de arte e cultura em direitos humanos vai ofertar 7 ações de formação artístico pedagógicas em 5 escolas públicas de Goiânia e Aparecida de Goiânia.

O grupo de teatro Plenluno vai ofertar, entre os dias 18 e 20 de abril, oficinas de formação artístico-pedagógica para professores e alunos em 5 escolas da rede municipal de Goiânia. As oficinas e a experiência dos participantes originarão vídeobooks que poderão ser utilizados pelas escolas públicas para atender à Lei 10.639/03, que declara a obrigatoriedade do ensino de história da África e Afrobrasileira na educação básica.

O vídeobook decorrente dos relatos de professores e alunos, bem como o conteúdo das oficinas será disponibilizado para as escolas participantes e outras instituições interessadas, bem como nas redes sociais (Facebook, Instagram e Youtube) do grupo de teatro.

 

As oficinas

A programação inclui a oferta de 3 oficinas de formação artística e pedagógica, a primeira, “Construção de objetos pedagógicos com bonecas abayomi”, ministrada por Jackson Leal, busca identificar e valorizar elementos de origem africana e/ou afro-brasileira para elaboração de materiais pedagógicos em escolas de ensino público; a segunda, “Oficina corporal: evocando uma ancestralidade negra”, ministrada pela professora Aline Vieira, tem como objetivo promover práticas corporais inspiradas nas culturas africanas e afro-brasileiras como possibilidade de trazer representatividade negra, consciência corporal e afirmação de identidade étnico-racial para professores e estudantes. Por fim, oficina “Experienciando a estética negra”, ofertada por Izabelle Eleonora, compreende o corpo como uma representação carregada de sentidos que o atravessam, e que estes são marcados pelas relações de racismo e discriminação disseminados nos espaços sociais, inclusive escolares.

As oficinas serão ministradas em escolas localizadas em 5 regiões de Goiânia e Aparecida de Goiânia: CEPI Bandeirantes, EMEI Professora Vinovita Guimarães da Silva, CEPI Colégio Estadual Francisco Maria Dantas, CEPI Santa Bernadete.

 

Os oficineiros

Aline Vieira Teixeira é professora de teatro e produtora cultura, especialista em arte educação intermediática digital, licenciada em artes cênicas pela Universidade Federal de Goiás. Atualmente é responsável pela programação de cultura do SESC/Goiás.

Izabelle Eleonora é bacharel em artes cênicas pela Universidade Federal de Goiás, desde 2007 trabalha na área teatral e em outros setores profissionais que envolvem a cena artística e demanda criativa do público em geral.

Jackson Douglas Leal é doutorando em performances culturais pela UFG, mestre em Comunicação, graduado em artes cênicas e artes visuais. Atualmente professor da rede municipal de Chapadão do Céu.

 

 

Este projeto foi contemplado pelo Edital de Seleção de Projetos de Teatro – Concurso nº 09/2021-SECULT-GOIÁS – Secretaria de Cultura – Governo Federal.

 

Texto e fotos: Divulgação

Redação Antes do Ponto Final

Baixe o e-book e saiba mais sobre.