Call us toll free:
Best WP Theme Ever!
Call us toll free:

OLHARES

18 out 2016
Comments: 0

#31 Amor em tempos de ódio

Eu sempre soube que amar não era algo fácil, mas com o tempo descobri que difícil mesmo é amar quando o ódio está à flor da pele. Nunca fui de briga, na minha família só assistir a uma briga era razão para também levarmos uma surra. Com o tempo entendi que isso era uma forma de proteção encontrada por meus pais, evitando que as agressões sobrassem para meus irmãos e eu.

Mas, como todo ser humano, já desejei mentalmente bater feio em alguém. Já ensaiei para mim mesma discursos elaborados em resposta a situações desagradáveis. E quer saber? Nunca disse nenhuma. E a única vez que disse algo impensado, em um momento de sensibilidade e de fúria, me arrependi profundamente – por mim e pela atendente quase desumana de uma instituição pública a quem proferi as palavras. Horrível de se lembrar.

Nada melhor que ser gentil e amar. Há uma violência gratuita por todos os lados, por razões sem razão. Porque para violência nunca haverá justificativa. Desconta-se o ódio no atendente da loja que descontou em nós um dia ruim de trabalho. Aponta-se o revólver para o motorista de ônibus porque o coletivo demorou demais para passar. em paciência, ultrapassagem violenta e desrespeitosa por causa de dois segundos na frente da pista. Ataca-se por usar vermelho, por ser mulher, por ser negro, por pensar diferente. Famílias se agredido sem razão, ou por razões que valeriam a pena serem ignoradas por um sentimento maior de união.

Demonstrar raiva e insatisfação é para os fracos. Eu imagino que, de certa maneira, seja fácil e até prazeroso bater em alguém, destruir um bem público, espancar um manifestante, pisotear a torcida de futebol, amassar o carro da frente repetidas vezes, por “prazer”. É a válvula de escape por onde a vida escapa. O preço que se paga é um ódio sem fim, amargo, desonesto e mesquinho.

Esses dias uma amiga me disse com certa admiração que eu perdoava muito fácil as pessoas e que tinha até memória curta. Segundo ela, parecia que entre mim e as pessoas que, de certa maneira tiveram desavenças comigo ou cometeram injustiças não havia acontecido nada. E eu respondi: mas para quê guardar rancor? O que passou passado é. Tão bom seguir em frente, em paz e com uma possibilidade de recomeço com as pessoas que podem até ter nos ferido, mas que em algum sentido, mesmo que mínimo, ainda podem valer a pena.

A vida é tão curta, precisamos no mínimo estar dispostos a cultivar os bons sentimentos que a humanidade pode ter. Dê um abraço, seja gentil, diga um “bom dia” verdadeiro. Dê mais amor, por favor. Difícil mesmo é superar as chateações e diferenças, os insultos e humilhações. Mas acredite, vale a pena. Tenho preferido pensar assim. O melhor revide é o amor.

 

Texto escrito em 2016.

Foto: Bruno Destéfano.


02 set 2016
Comments: 0

#4 Breve biografia de um grito

O pior grito é aquele que não passa na garganta, nem desce no estômago. É o que fica entalado, naquele espaço entre o início e o fim do esôfago. É o grito que não segue o caminho prescrito, que não sai, ao contrário: um grito reverso que desce rasgando até o calcanhar e depois continua, esticando os dedos dos pés.

É aquele grito frito que pula, salpica na panela, espirra gordura quente. É aquele entalado, que explode e dilacera. O pior grito é o que se segura para não esbravejar verdades inteiras e meios esporros é o grito que expulsa, como num balão de água, todas as gotas d’águas nos olhos de uma vez. E, num instante, elas secam pela força do silêncio.

É o grito comedido que, na intenção de não rasgar o que vem pela frente, pensa no sufoco e no abafo até como sabedoria. Porque, não raro, pelo som uníssono de uma voz consegue possivelmente arrancar corpos inteiros do chão como numa colisão fatal: nem pele, nem osso, nem sangue, nem cor, nem músculos. Nada sobrou de um grito.

 

Texto escrito em 2013.

Foto: Bruno Destéfano.


05 jun 2016
Comments: 0

#30 E aí, o que é felicidade?

Essa semana um amigo me contou a versão resumida de uma história interessante sobre felicidade. Certa vez um homem fez uma viagem de avião e, ao contar para um amigo sobre o passeio, falava apenas das horas de espera no aeroporto, das dificuldades de transporte na viagem, dos empecilhos no hotel e de dezenas de aspectos negativos. Ora, só o fato de poder voar já é praticamente um milagre.

Se pensarmos bem, voar é uma oportunidade que há pouquíssimo tempo nossos avós não poderiam fazê-lo. Meu avô chegou a andar de avião, mas antes disso também foi da Bahia até Minas a pé, e de lá pegou um trem para São Paulo. Depois vieram as estradas terrestres, por fim o avião. Como podemos não apreciar a facilidade de ir de um país a outro sem precisar ficar anos dentro de um navio? A maneira como enxergamos as situações é o que pode determinar a felicidade.

Pensar nos lugares a conhecer, nas aventuras vividas, nos momentos em companhia de pessoas especiais. Felicidade talvez seja o milagre do cotidiano: abrir um bombom, ganhar um abraço, ler um bom livro, soltar um sorriso. Ficar horas conversando com alguém, ver uma série sensacional, tomar um banho de rio ou de mar, receber uma carta, achar dinheiro no bolso da calça, ser recebido com o afago do seu cachorro, comer um prato preferido, beber um bom vinho. Lá na frente esses momentos vão compensar a espera pelos voos e a árdua rotina. Seja dia de sol ou de chuva, sem dúvida, sempre há uma razão para um ser feliz.

Texto escrito em 2014.


02 mar 2016
Comments: 0

#29 Manual dos amantes

Para ser um bom amante deve-se, antes de qualquer coisa, ser discreto. Pegar na mão suave e discretamente, cheirar a nuca disfarçadamente, deixando a respiração dizer, em poucas pausas, que o que os torna bons amantes são os pequenos gestos.

Um bom amante também deve quase que obrigatoriamente saber conversar. Sim, dialogar sobre a vida, as cores do céu, as pedras no caminho. Para que no embalo de sábado à noite ou de qualquer outro dia não falte franqueza, sinceridade, respeito e conhecimento um do outro e sobre o outro.

O amante perfeito é movido pelo prazer de ser feliz, como consequência de também fazer seu companheiro ou sua companheira feliz. E felicidade, pela minha concepção, é não precisar inventar pequenas mentirinhas, sorrisos disfarçados ou desculpas esfarrapadas. É ser livre e inteiramente franco. E que isso não seja um peso, mas uma escolha.

Um bom amante também é muito bom na cama: fazendo amor, assistindo um filme, compartilhando a mesma luz para ler um livro, dando assistência no caso de uma enfermidade, conversando horas a fio madrugada adentro ou dormindo um sono profundo.

Para ser um bom amante também é fundamental não sufocar o outro, seja por um sentimento exagerado de posse, seja por falta de confiança. Porque o amor, de fato, é liberdade. E como diz aquela frase popular da internet, que eu não tenho certeza se é do Manuel Quintana, o amor “quando vira nó já deixou de ser laço”.

E ainda há de fazer parte da rotina dos amantes as pequenas surpresas gostosas da vida: sonho de valsa, cineminha a dois, jantar aconchegante em casa, uma flor colhida no jardim, um abraço para confortar uma dor, um beijo pra demonstrar uma grande alegria.

Um bom amante, com certeza, é aquele que se apaixona todos os dias pela mesma pessoa – com naturalidade, confiança, tolerância, compreensão, respeito e verdade. Porque se o amor não puder ser completo e verdadeiro, ele não é uma entrega. E, se não é entrega, não é possível, de formal alguma, ser um bom amante.

 

Texto escrito em 2014.

Foto: Bruno Destéfano.


25 fev 2016
Comments: 0

#28 Apego e desapego: já pensou nisso?

Se tem uma palavra que caiu no gosto do povo é “desapego”. Até aí, tudo bem, pois desapego, de uma maneira resumida, significa desprendimento diante da vida, das superficialidades, da vaidade em prol de fatos importantes e que tenham sentidos mais profundos, que estão vinculados ao saber dividir e compartilhar a vida de uma maneira generosa.

Mas, no cotidiano, a palavra desapego tem sido associada a romances frustrados, paixonites não correspondidas, venda de bens materiais e um não “importar-se” de maneira geral com a vida. Enquanto apego aparece, quase sempre, com um sentido negativo, de posse em relação a pessoas, situações ou objetos.

Da mesma maneira que desapego tem um sentido muito mais profundo e de transformação interior, o apego também está relacionado a aspectos positivos da conduta e do caráter humano. A primeira definição de apego, segundo do dicionário Michaellis, é de “afeição, afeto, inclinação”. Outros vão mais além, incluindo o sentimento de simpatia, de bem-querer e de apoio.

Lendo assim, vejo apego como elo, aquilo que nos une às pessoas, que nos faz importar-se com elas e abrir mão de determinadas atitudes, prazeres, programas por alguém. E isso de uma forma natural, com liberdade, sem pressão ou possessividade. É querer estar junto, aceitando o outro da maneira que ele é. Apego é, assim como o desapego, abrir espaço para momentos de felicidade, de importar-se com a vida, com o próximo. É dizer “sim” para o outro sem dizer “não” para si mesmo.

Tem um texto sobre abelhas que circula na internet, de autor desconhecido, que explica bem o que significa desapego (e eu incluiria até o apego, no sentido positivo da palavra).

“As abelhas nos dão um grande exemplo de desapego. Após construírem a colmeia, elas abandonam-na. E não a deixam morta, em ruínas, mas viva e repleta de alimento. Todo mel que fabricaram além do que necessitavam é deixado. Batem asas para a próxima morada sem olhar para trás. Num ato incomum, abandonam tudo o que levaram a vida para construir. Simplesmente, o soltam sem preocupação se vai para outro. Deixam o melhor que têm, seja pra quem for – o que é muito diferente de doar o que não tem valor ou dirigir a doação para alguém de nossa preferência. Se queremos ser livres, parar de sofrer pelo que temos e pelo que não temos, devemos abrigar um único desejo: o de nos transformar. Assim, quando alguém ou algo tem de sair de nossa vida, não alimentamos a ilusão da perda. O sofrimento vem da fixação a algo ou a alguém. O apego embaça o que deveria estar claro: por trás de uma pretensa perda está o ensinamento de que algo melhor para nosso crescimento precisa entrar. Se não abrirmos mão do velho, como pode haver espaço para o novo?”

Mais do que desapego e apego, eu penso que as abelhas nos ensinam sobre felicidade.

 

Texto escrito em 2014.


22 fev 2016
Comments: 0

#36 Copo cheio

Água gelada? Nem pensar. Com ela era metade gelada, metade quente. Assim conseguia atingir a temperatura preferida para que a água saciasse sua sede. Para ela não havia meio copo cheio, nem meio copo vazio. Era tudo ou nada. Para quê perder tempo com meios-termos?

Essa rigidez consigo trazia alguns problemas de saúde, mas daqueles silenciosos: dores de cabeça, insônia, estresse, gastrite. Mas o sorriso sempre estava ali para disfarçar um tédio quase que rotineiro em dirigir para o trabalho comer marmita esquentada, sentar em frente ao computador para digitar projetos e processos.

Um belo dia teve um sonho: ser atriz de YouTube. Sabe-se lá porquê, queria falar das coisas que gostava de assistir: maquiagem, curiosidades de beleza, dicas de estilo, coisas que muita gente acha sem importância, mas que para ela significavam muito. Porque na vida, com certa frequência, usa-se muita maquiagem para valorizar ou ocultar a realidade.

E lá foi ela um dia na frente da câmera. Luz, ação, sucesso. Nem saberia dizer, anos depois, como fez aquele primeiro vídeo que alcançou tantos seguidores de uma só vez. Agora ela não tem mais aquele tédio rotineiro de antes. Dirige eventualmente, pois trabalha em casa, onde também pode fazer seu almoço na hora, sem comida esquentada. Continua sentando em frente ao computador, só que dessa vez como a protagonista da sua história. O copo estava cheio.

Texto escrito em 2014.


26 out 2015
Comments: 0

#35 O preço da canção

Dizem que cigarras são presságios de chuvas e um bom sinal de que coisas boas estão por vir. Não sei, mas tento acreditar. Até que elas cantam bonito, cantam alto e me fazem lembrar aquela história da cigarra e da formiga – que acho uma história grande injustiça com as cigarras, porque cantar requer esforço. Mas, poxa, as cigarras tinham que ser tão aterrorizantes?

Eu, que não gosto de bicho nenhum, detesto mais ainda as cigarras. Esses dias tinham três do lado de fora da minha sacada (sim, porque eu fecho as janelas as 18h para evitar visitas inoportunas e desagradáveis dos insetos da primavera), parecia que eu ouvia um trio em apresentação de domingo. Uma era soprano e fazia-se ouvir mais alto que as outras. As outras, mezzosoprano, seguravam o tom uniformemente.

Se uma cigarra entrar pela minha sacada tenho uma síncope. No início da primavera arrisquei a janela aberta por alguns instantes. Resultado: um projeto de gafanhoto pulando na minha cozinha, um besouro gordinho me assustando, um rodo quebrado, uma quase intoxicação por veneno spray, vasilhas no chão da minha cozinha para eu catar, lavar e guardar, adrenalina alta e controle emocional próximo de zero.

Esses dias de calor e tédio pensei em ir no parque. Lembrei-me das cigarras e senti que elas poderiam pular na minha nuca e me convenci que o calor era forte demais pra sair de casa. A imagem das “cigarras e banda” foi mais forte que a momentânea vontade de ir ao parque. Benditas cigarras!

Que os biólogos e defensores da natureza não me levem a mal, mas não dá para achar certos insetos bonitos. Não desejo o mal a eles, apenas que passem longe de mim. Mas como são irracionais não posso expressar isso diretamente e de modo convincente, resta-me prevenir visitas inoportunas no meu espaço privado.

A primavera que me perdoe, porque amo as flores mas odeio os insetos. Entendo que a vida tenha suas formas de equilíbrio e os insetos contribuem para isso. O preço da beleza e da cantoria é alto: requer convivência diária com pequenos animais assustadores, de diversos tipos e trejeitos. Mas convenço-me de que sempre poderia ser pior. As cigarras poderiam ser gigantes, já pensou? Benditas cigarras!

 

Texto escrito em 2016.

Foto: Bruno Destéfano.